04 junho 2010



"Sinto saudade da sua mão na minha perna. Saudade de querer falar sério e não conseguir. Sinto saudade de falar o que nunca falei. De tentar o que nunca tentei. E de querer te aceitar do que jeito que é e conseguir te aceitar do jeito que é. Tenho saudade do frio sentada no seu colo. E do travesseiro gelado. Sinto saudade de me encontrar em você. Sinto saudade até do seu insuportável silêncio de sempre. Que hoje, me faz entender tantas coisas. Me faz entender que sou assim. Somos assim. Basta olhar de perto..."
 
 
 

Um comentário:

Laís Bratfisch disse...

Oi querida :)
Obrigaaaada. Adorei que você colocou coisas minhas aqui. Fico tão feliz. Hahahah a Tati escreve tão simples e isso tem tanta graça!
Lindo blog.

Um beijo!